Equivalência e distinção: uma reflexão sobre a noção de “signos mudos”

Natália Quinderé

Este artigo tem como objetivo principal problematizar a noção de “signos mudos” como um ponto de convergência entre o significado de política e o significado de estética em Jacques Rancière. Para isso, o artigo se divide em três partes. É preciso entender primeiramente como os “signos mudos” se relacionam com o pensamento político de Rancière. Num segundo momento, é preciso identificar as transformações ocorridas nas práticas artísticas e por último, compreender como os “signos mudos” se relacionam com essas mudanças.

signos mudos; indeterminação; hierarquização; práticas artísticas;

Veja o artigo completo

Esta entrada foi publicada em Simpósio 2011. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>